Evangelho DominicalVersículos Bíblicos
 
 
 
 
 

248. Poliamor

Ler do Início
09.06.2022 | 1 minutos de leitura
Pe. Eduardo César Rodrigues Calil
Poesia
248. Poliamor
Tenho dormido ao lado de Adélia.
Ela me olha sorridente,
Seu poema é sarça ardente,
De que brota um tetragrama
Sempre indecifrável.
Enquanto isso, Clarice me ama,
seu olho me olha sedento
E eu lhe digo: vou ter tempo.
Mas fica sempre pra depois.
Ela me promete amizade sincera,
Uma felicidade clandestina,
Enquanto busco desculpar Deus
Por ter-me feito de carne e osso.
Se cuido de poemas ou matemas,
Estou sendo o interstício 
Dessas duas mulheres,
Enquanto o sexo balança murcho 
Escondido atrás de batinas.

PUBLICIDADE
  •  
  •  
  •  
  •