Versículos BíblicosEvangelho Dominical
 
 
 
 
 

37. As imagens

Ler do Início
09.11.2017 | 6 minutos de leitura
Fique Firme
Saiba mais
37. As imagens

As imagens como representação religiosa têm sido tema controverso desde muito tempo. Não foram os neopentecostais que inventaram essa polêmica. Na Igreja Católica, não é de hoje que os cristãos se posicionam em relação ao uso de imagens nos templos. A história dessa controvérsia já se aproxima da casa de mil anos, quando em 1054, depois de muitos desentendimentos iniciados no século VIII, a Igreja Católica se dividiu em dois grupos: a Igreja do Ocidente e a Igreja do Oriente. Certamente, o uso de imagens foi só a ponta do iceberg. Nessa briga, havia interesses políticos e econômicos, além de outras discussões teológicas. Mas a questão iconoclasta foi a gota d’água e o Cisma do Oriente acabou acontecendo. Houve brigas, quebradeira de imagens etc. E o resultado foi: a Igreja Católica Romana, chefiada pelo papa, permaneceu fiel no costume de representar santos, personagens bíblicos, Jesus etc. por meio das imagens, costume difundido entre os cristãos desde o século II, que nos deixaram representações de Jesus bom pastor, de peixes etc.


Na verdade, se a gente for buscar a origem da questão acerca das imagens, ela vai muito além da virada do primeiro milênio. Esse problema já aparece no Antigo Testamento, como bem o sabemos. Recorrer a bíblia para sanar questões polêmicas pode não ser o melhor caminho, não só porque ela foi escrita em contexto bem diferente do nosso e representa uma cultura e uma compreensão de Deus bem diversas da atual, mas porque a bíblia é um mundo e, dentro dele, cabe tudo. Na bíblia há textos que proíbem fazer imagens e há textos que admitem e até mandam fazer imagens. Então, pegar um versículo solto da bíblia para atacar quem gosta de representações por meio de imagens é um disparate. Mas por que há textos que proíbem e outros que mandam fazer imagens? Vejamos!


Numa primeira fase da vida do povo hebreu, Deus proíbe fazer imagens. É uma fase mais antiga. O povo estava saindo do Egito. Lá no Egito, a religião era politeísta, ou seja, os egípcios adoravam muitos deuses, pois não conheciam o Deus verdadeiro. Então, tudo para eles era considerado deus. Ora, o povo hebreu viveu muito tempo no Egito e acabou se acostumando a pensar que qualquer coisa fosse igual a Deus. Se vissem uma imagem, fosse de gente ou de animal, eles se prostravam e ficavam pensando que a imagem tinha força de ajudá-los. É o caso do bezerro de ouro. Então, nessa fase, a Escritura Sagrada proíbe fazer qualquer imagem, para não confundir a cabeça do povo, afinal o povo corria o risco de trocar o Deus verdadeiro por qualquer imagem, como vemos em Ex 20,1-5 e Dt 4,15-20.


Observemos ao ler os textos acima que, juntamente com a proibição de fazer imagens, está a proibição mais radical: “Não terás outros deuses além de mim”. Na verdade, o problema não está nas imagens, mas na idolatria. A idolatria era coisa abominável para o povo hebreu. Enquanto o Deus que os tirou do Egito era o libertador, aquele que lhes dava vida plena, os deuses dos pagãos eram escravizadores. Eles manipulavam, oprimiam, maltratavam. As pessoas estavam sempre em posição de sujeição e submissão subserviente a eles. Se não fizesse o culto, eles se iravam, mandavam castigos, vinganças, punições etc. Não se importavam com sua gente, não participavam da vida do povo; em nome deles valia tudo.


Logo logo, o povo hebreu percebeu a burrice desse culto (infelizmente ainda presente hoje, inclusive na fé católica quando manipulamos Deus e fazemos dele um ídolo). As imagens, na verdade, representavam a idolatria e foram proibidas não por si mesmas, mas para evitar o culto idolátrico, o desvio dos olhares do Deus verdadeiro para ilusões divinas enganosas. E a proibição era tal que nem a imagem de um pássaro, do sol ou de qualquer elemento da natureza era possível fazer. Não é à toa que alguns grupos mais radicais – em nome da bíblia – não admitem, ainda hoje, sequer usar roupas com estampas ou até mesmo ver televisão ou tirar fotografias. Se for levar a sério a proibição do Deuteronômio, vamos ter que chegar a esse extremo. Não poderemos ter nem carteira de identidade ou qualquer documento com foto, pois é uma violação à proibição bíblica. Certamente que tudo isso é um disparate. Não dá para levar a ferro e fogo as proibições bíblicas ou não vamos mais cumprimentar as pessoas na rua, vamos surrar nossos filhos, vamos cortar mão e pé etc.


O Antigo Testamento, que proíbe severamente o uso de imagens, também manda fazer imagens. É o caso de Ex 25,17-22; 2Cr4,2-4;2Cr 3,10-13 e Nm 21,4-9. O povo fez por ordem de Deus uma imagem de serpente para ficar curado no deserto; Deus mandou fazer imagens de querubins e touros (note-se que é o mesmo animal antes visto como perigo para a fé no caso do bezerro de ouro), para serem colocadas no templo de Jerusalém, o lugar sagrado. Logo, fica bem claro que o problema não são as imagens, nem o que é representado, mas o culto a que elas podem nos induzir. Se elas levam o povo a reconhecer que Deus é um só e que só ele merece culto, ótimo! Se ajudam a fazer o caminho da fé para o Deus da vida e promovem a vida plena, então está tudo bem. Podem ser feitas imagens e elas podem estar nas Igrejas sem nenhum problema. Agora, se elas induzem à confusão do culto, se geram idolatria, se desviam os olhares do Deus verdadeiro para pseudo-deuses, então é hora de rever a presença das imagens nas igrejas.


Notemos que, como quase tudo na vida, o problema não está no objeto em si mesmo, mas na compreensão que dele fazemos, no significado que tal objeto passa a assumir na nossa caminhada de fé. O Deus de Jesus Cristo é o Deus libertador, o Deus da vida. Ele ama tanto a vida humana que assumiu a nossa carne (como disse Hebreus, “deste-me um corpo”), ou seja, ele mesmo se fez imagem, ganhou uma figura humana. Se o Deus de Jesus fosse contra as representações, por que ele mesmo ganharia imagem visível entre nós? É melhor pensar um pouco antes de sair combatendo imagens em nome de uma pretensa fidelidade à Escritura!







Saiba mais anterior:   36. Maria, mulher de muitos nomes

Próximo saiba mais:       38. Os milagres