Versículos BíblicosEvangelho Dominical
 
 
 
 
 

Pré-Evangelização – Pré 2 – Seguindo Jesus - Etapa 4 - Encontro 4

Ler do Início
16.04.2015 | 9 minutos de leitura
FFirme
Veja um encontro
Pré-Evangelização – Pré 2 – Seguindo Jesus - Etapa 4 - Encontro 4

Solange Maria do Carmo

Padre Geraldo Orione de Assis Silva


Pré 2: Crianças de 5 a 7 anos


4ª Etapa - 4º Encontro: A ORAÇÃO


1. ACOLHIDA E ORAÇÃO INICIAL

- Receber a turma com entusiasmo e muito amor. Fazer momento de animação. Músicas à escolha.


- Sossegar a turma para rezar. Cantar música suave. Sugerimos "Deus cuida de nós", para ajudar a recordar o encontro anterior.


- Colocar a mão no coração e repetir: Ó Deus de amor, nós confiamos no Senhor e pedimos sua proteção. Venha cuidar de nós e nos ajudar a viver em paz. Venha encher de alegria nosso coração. Abençoe também, Senhor Deus, todas as pessoas que vivem aflitas e preocupadas, porque ainda não sabem confiar no Senhor. Amém!


2. O QUE A BÍBLIA DIZ 
 
Motivação

Hoje vamos ver Jesus ensinando o povo a rezar. A oração é uma forma de conversar com Deus. Mas o povo não sabia disso. Vamos ver como Jesus ensina o povo a rezar. 
 
História: Lc 11,1-13

Jesus andava por todas as cidades, percorria todas as vilas e povoados. Por onde passava, ele ensinava o povo a confiar em Deus e a ter fé. O povo se reunia em volta de Jesus para ouvi-lo falar. É que de sua boca sempre saíam palavras de sabedoria que ajudavam o povo a viver melhor. Cada vez que Jesus falava, tinha uma coisa nova para ensinar ao povo.


Certa vez, o povo deu por falta de Jesus. “Onde será que ele foi parar?” – perguntaram todos. E saíram à sua procura. Andaram e andaram e foram encontrar Jesus no alto de uma montanha, bem quietinho, à sombra de uma árvore. Jesus parecia tão tranquilo e concentrado que ninguém teve coragem de chamá-lo. Ficaram olhando de longe, sem querer incomodá-lo e observando o que ele fazia. Ele estava ajoelhado no chão, com as mãos postas, olhando para o alto. Parecia estar conversando com alguém, mas não havia ninguém ali. O que Jesus estaria fazendo? Todos ficaram curiosos.


Jesus, então, sentindo a presença do povo, levantou-se e caminhou ao seu encontro. O povo lhe perguntou: “O que o Senhor está fazendo aqui sozinho? Está conversando sozinho?” “Não! Eu estou rezando”, disse Jesus. “Rezando!? O que é rezar?” – perguntaram admirados. “Rezar é a gente conversar com Deus”, explicou Jesus. “Ah! Então, o Senhor estava conversando com Deus! Pra quê?” Insistiram. E Jesus lhes explicou:


“É bom conversar com Deus. Quando a gente tem fé, tem também a certeza de que Deus está sempre presente junto de nós. Então, podemos conversar com Deus, como falamos com um amigo. Podemos agradecer a Deus pelas coisas boas da vida, contar para Deus os nossos problemas, pedir a ele sua ajuda para nossas dificuldades. E isso traz muita paz para o nosso coração”.


O povo, então, foi logo dizendo: “Jesus, ensina a gente como se deve rezar!” Jesus, muito paciente, disse: “Quando vocês forem rezar, digam assim: ‘Pai nosso que estais no céu, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém!’” O povo ficou de boca aberta ouvindo Jesus, admirado com a beleza de suas palavras.


Nesta oração, Jesus estava mostrando ao povo que se deve confiar em Deus, como se confia em um pai bondoso. Por isso, contou ainda a seguinte história:


Era uma vez um homem que possuía um grande amigo. Os dois moravam bem pertinho um do outro e combinavam muito bem. Sempre que um precisava, o outro ajudava. Os dois sempre estavam juntos. Eram companheiros inseparáveis. Todos os dias, eles se encontravam e conversavam animadamente, contando muitos casos e trocando muitas ideias.


Certa ocasião, quando já estava de noite e já era tarde, bateram à porta da casa desse homem. Ele levantou-se e olhou no relógio: meia-noite! “Poxa! Já é tão tarde! Quem será que está batendo à porta?” Um pouco assustado e cambaleando de sono, o homem foi até a porta ver quem era. Quando abriu a porta, deu de cara com um conhecido seu que passava por aquelas bandas. Os dois se abraçaram, com saudades.


- Prazer em revê-lo. Há quanto tempo não nos encontramos!


- Você por aqui a essa hora!? Entre logo. Que alegria você em minha casa!


O viajante entrou e sentou. Estava cansado e com fome. Só que àquela hora era difícil conseguir comida. Os bares e restaurantes estavam fechados. Não havia comida guardada em casa. O homem pensou: “O jeito é eu ir pedir ao meu amigo, que – graças a Deus! – mora aqui bem perto”.


Agasalhando-se, saiu pela rua e foi até a casa de seu amigo, enquanto o viajante descansava sossegado. Era mais de meia-noite quando o homem bateu à porta do seu vizinho. Lá de dentro, ele gritou:


- Quem é? Quem está batendo à porta a essa hora?


- Sou eu, seu vizinho – disse o homem. Preciso de sua ajuda, por favor.


- O que você quer? – gritou o vizinho lá de dentro.


- Preciso que você me empreste alguns pães, porque um velho conhecido meu acabou de chegar lá em casa. Está com fome e cansado e não tenho nada para lhe oferecer.


- Mas já está muito tarde e todos nós já estamos deitados, gritou o outro.


- Mas você é meu amigo e o caso é urgente e muito importante, insistiu o homem.


Então, o vizinho acendeu a luz e veio abrir a porta, dando ao homem os pães que ele havia pedido. O homem agradeceu muito e feliz voltou para a sua casa, onde o viajante esperava paciente para saciar sua fome.


Quando Jesus terminou a história, explicou para o povo:


- Viram só como é importante ter um amigo assim? Pois eu digo a vocês: Deus é como esse amigo que nos atende a qualquer hora. Sempre que a gente precisa, ele está disposto a nos ouvir e socorrer. Por isso, é preciso ser amigo de Deus. Isso é que é ter fé. Quem tem fé é amigo de Deus. A fé é a amizade que une a gente a Deus. Quem tem fé, quem é amigo de Deus pode procurá-lo a qualquer hora para conversar com ele. Tudo aquilo de que vocês precisarem, vocês podem pedir a Deus. Se vocês pedirem, Deus dará atenção a vocês. Se vocês procurarem a Deus, vocês encontrarão consolo. Se vocês baterem à porta, Deus irá recebê-los com amor em seu coração, porque Deus ama todos vocês e cuida de todos com carinho. Quando a gente é amigo de Deus e conversa com ele sobre as coisas de nossa vida, Deus nos ajuda muito e a gente vive mais feliz.


A partir daquele dia, o povo aprendeu a rezar e a ter fé. E todos passaram a tirar uns minutinhos a cada dia para conversar com Deus. Cada vez crescia mais a amizade do povo com Deus. E o povo vivia cada vez mais feliz.


Partilha




  • O que Jesus estava fazendo no alto da montanha?

  • Com quem Jesus estava conversando?

  • Que pedido o povo fez a Jesus?

  • Como Jesus ensinou o povo a rezar?

  • Que história Jesus contou ao povo?

  • O que Jesus quis mostrar com essa história?


Conclusão


Jesus ensinou o povo a ter fé. Ter fé é ser amigo de Deus. É confiar nele e conversar com ele como um amigo conversa com o outro. E Deus nos ouve e nos atende como um amigo atende o outro. Nós também podemos conversar com Deus como Jesus conversava, porque temos fé e Deus é nosso amigo. Podemos falar a ele de nossa vida e pedir que ele nos abençoe. E Deus nos ouvirá e nos dará força, ajudando-nos a ser mais felizes.



3. ATIVIDADE


Sugestão


- Colorir um desenho de Jesus rezando, como contou a história. Ou cada criança desenhar o que achou mais importante na história. Montar painel com os desenhos.


- Cantar a música "Bate palmas, bate o pé", fazendo os gestos sugeridos pela letra.


Conclusão


É muito importante ter fé e conversar com Deus. Seria muito bom que cada um reservasse um tempinho para rezar a cada dia. Pode ser à noite, antes de dormir, ou de manhã, antes de começar a correria do dia, ou em qualquer outro horário. A gente faz como Jesus no alto da montanha: põe os joelhos no chão e conversa com Deus, falando para ele aquilo que a gente sente no coração. Se for difícil ajoelhar, cada um pode rezar de pé ou sentado ou até deitado em sua cama, como quiser. O importante é ser amigo de Deus e conversar sempre com ele.



4. ORAÇÃO FINAL E ENCERRAMENTO


- Convidar a turma para rezar, conversando com Jesus. Lembrar que desse ensinamento de Jesus surgiu a oração que chamamos de “Pai Nosso”. Ver se as crianças sabem rezar o Pai Nosso. Rezar todos juntos. Se não souberem, o catequista ensina.


- Encerrar a oração, cantando música à escolha.



Dicas importantes


Aproveite este encontro para incentivar as crianças a criarem o hábito de rezar sempre. A oração é uma forma de estarmos em constante comunhão com Deus. Além das formas tradicionais que fazem parte da vida do católico – como o Pai Nosso, a Ave Maria e outras – seria bom que as crianças aprendessem a rezar espontaneamente. E criassem o costume de rezar em momentos especiais: ao deitar-se, ao levantar-se, antes das refeições etc. Eis um costume que deve ser incentivado. Além da oração pessoal, é sempre bom lembrar as orações comunitárias, ou seja, as celebrações que envolvem toda a comunidade, da qual, sendo Igreja, cada criança também faz parte. Destaque especial para as missas dominicais ou celebrações da Eucaristia na comunidade.


Vale a pena lembrar a importância de a criança já fazer orações mais profundas. Não é porque ela é criança que tem de rezar com expressões infantilizadas, tais como: “anjinho da guarda” ou “santo anjo do senhor, meu zeloso guardador” ou “papai do céu” ou ainda “mãezinha do céu”. Essas orações infantis infantilizam mais a criança, dando-lhe também uma fé infantil. A criança é infantil, mas sua fé deve ser madura, dentro da sua idade (Cf. DNC, 200).









PUBLICIDADE
  •  
  •  
  •  
  •