Versículos BíblicosEvangelho Dominical
 
 
 
 
 

201. Reflexão para o 1º Domingo da Quaresma – Mc 1,12-15 (Ano B)

Ler do Início
20.02.2021 | 11 minutos de leitura
Pe. Francisco Cornélio F. Rodrigues
Evangelho Dominical
201. Reflexão para o 1º Domingo da Quaresma – Mc 1,12-15 (Ano B)
Todos os anos, o primeiro e o segundo domingo da quaresma são marcados pela leitura dos relatos das tentações e da transfiguração, respectivamente, segundo o Evangelho de referência de cada ciclo litúrgico. Neste ano, por ocasião do ciclo B, lemos estes relatos a partir do Evangelho segundo Marcos. Como o relato das tentações em Marcos é muito curto, a liturgia acrescentou a leitura do primeiro resumo do ministério de Jesus na Galileia que, por sinal, combina muito bem com o início da quaresma, pois contém o explícito convite à conversão, o fio condutor de toda a espiritualidade quaresmal. Por isso, o evangelho de hoje é Mc 1,12-15. Apesar de breve, é um texto bastante rico teologicamente, e de grande valor catequético para o percurso de preparação à Páscoa do Senhor.

É surpreendente a capacidade de síntese do evangelista Marcos: em apenas quatro versículos, ele consegue transmitir muita coisa da vida de Jesus; claro que sob uma perspectiva catequética e teológica, e não propriamente histórica. Antes de nos determos diretamente no texto, é necessário fazer algumas considerações a respeito do contexto em que está inserido, recordando os eventos antecedentes. O episódio que o precede de imediato é o batismo de Jesus por João no Jordão (Mc 1,9-11). Enquanto realizava sua missão de batizador, João havia anunciado que viria alguém “mais forte” do que ele, o qual batizaria no Espírito Santo (vv. 7-8). De fato, veio esse “mais forte”, que foi batizado por João (v. 9), sobre ele o Espírito se manifestou em forma de pomba (v. 10), e foi declarado pelo Pai como o “Filho Amado” que lhe dá prazer (v. 11). O texto de hoje é a sequência imediata desta série de eventos e sinais introdutórios da missão de Jesus.

Eis o início: “logo o Espírito levou Jesus para o deserto” (v. 12). A versão litúrgica omitiu o advérbio “logo” ou “imediatamente” (em grego: εύθύς – euthis), mas é importante recordar, pois sua ausência compromete um pouco o sentido do texto, porque esconde o caráter de urgência e imediatez da ação do Espírito em impelir Jesus para o deserto. Por sinal, o verbo empregado pelo evangelista é muito mais intenso do que “levar”, como está na versão litúrgica; significa empurrar, atirar, impelir, lançar fora com força. Essas observações são importantes para compreender a urgência do agir salvífico do Espírito e de Jesus. Significa que não tinha tempo a perder; a situação caótica do mundo não permitia esperar. E a proclamação solene como “Filho Amado”, no batismo, não o isentou das provações e contradições da vida.  A ida ao deserto, obviamente, não é apenas um movimento físico, mas um indicativo teológico. O deserto é um elemento de rico significado para a tradição bíblica. Nesse texto indica, antes de tudo, que Jesus está inserido na história do povo de Israel, fazendo parte desse e, portanto, estará sujeito aos mesmos riscos e perigos pelos quais esse povo passou, desde a saída do Egito à conquista da terra, e ao longo de toda a história, incluindo os tempos obscuros de dominação e exploração romana. Assim, também o caminho de Jesus até a cruz e ressurreição será marcado por perigos e provas.

Embora o deserto evoque provação, é também o lugar ideal para o bom relacionamento com Deus. Por isso, quando o povo demonstrava infidelidade, os profetas apresentavam a necessidade de retornar ao deserto para voltar a viver o ideal da aliança (cf. Os 2,16). A experiência do deserto na vida de Jesus representa, portanto, uma confirmação da sua condição de “Filho Amado” do Pai: “E ele ficou no deserto durante quarenta dias, e aí foi tentado por Satanás” (v. 13a). Associando deserto à provação, o evangelista chama a atenção da sua comunidade para um aspecto muito importante da vida cristã: deixar-se conduzir pelo Espírito não torna a pessoa imune às tentações e dificuldades que a vida apresenta. O tempo de permanência no deserto – quarenta dias – também possui um rico simbolismo na Bíblia. É uma clara alusão à experiência do êxodo, marcada por quarenta anos de marcha no deserto (cf. Nm 32,13; Dt 8,2), mas também a outros acontecimentos importantes do Antigo Testamento, como a duração do dilúvio de quarenta dias e quarenta noites (cf. Gn 7,4.12.17), caminhada de Elias rumo ao monte Horeb (cf. 1 Rs 19,8), e outros. Além de evocar acontecimentos e personagens importantes da história de Israel, esse número quer dizer uma etapa completa, ou seja, uma vida inteira, uma geração. Portanto, significa que toda a vida de Jesus foi marcada pela prova, e assim é também a vida da comunidade cristã. Isso deve levar os cristãos a uma vida vigilante sem jamais cair em comodismos. Quer dizer que a Igreja não pode, em momento algum da história, aceitar qualquer sinal de conforto, principalmente quando ofertado pelos detentores de poder.

O tentador, segundo Marcos, é Satanás (em grego: σατανάς), e significa o adversário, aquele que se opõe ao plano de Deus. Não é um indivíduo ou um ser específico, mas toda e qualquer realidade adversa ao Reino de Deus. A vida cristã é um confronto constante com essa realidade. No decorrer do Evangelho, o adversário de Jesus assumirá diversos rostos: a hierarquia religiosa, o poder político romano e até mesmo os seus discípulos (cf. 8,33), quando Pedro será explicitamente chamado de satanás e pedra de tropeço por opor-se aos propósitos do Reino de Deus. É importante também perceber que, ao contrário de Mateus e Lucas, Marcos não faz a mínima referência ao conteúdo das tentações, nem ao jejum praticado por Jesus; ao invés de empobrecer, esse dado só enriquece o seu relato. Ora, ao não descrever em pormenores essa realidade simbólica, o evangelista ajuda sua comunidade a não idealizar nem fantasiar uma cena, mas enfatiza que as tentações são imprevisíveis e indescritíveis porque são muitas e, portanto, não podem ser catalogadas ou delimitadas; a qualquer momento podem surgir, e isso durante toda a vida.

A segunda parte do versículo evoca a superação da prova com a conquista da paz messiânica: “Vivia entre os animais selvagens, e os anjos o serviam” (v. 13b). Ao invés da expressão animais selvagens, a palavra “feras” corresponde melhor ao termo empregado na língua original do texto (em grego: θερίων– therion). Inclusive, evidencia melhor o contraste com anjos. O antigo sonho profético de harmonia entre todos os elementos da criação é recuperado por Jesus, o profeta do Reino por excelência. Aquilo que fora sonhado durante muitos séculos por tantas gerações, tem em Jesus a oportunidade de ser realizado. A presença de Jesus entre feras e anjos significa sua missão de reconciliar o mundo consigo mesmo e com Deus. Jesus é habilitado pelo Pai, como “Filho Amado”, para combater as forças do mal e vencê-las pelo amor, fazendo acontecer a nova humanidade, instaurando, de fato, os “novos céus e nova terra” (cf. Is 11,1-9). O serviço dos anjos quer dizer a adesão ao Reino da parte daqueles que compreendem a centralidade do Evangelho: servir por amor é o triunfo do bem. Feras e anjos juntos, tendo Jesus ao centro, significa a convivência pacífica entre todos os seres, por mais diferentes que sejam. É a criação recuperando sua ordem original. As forças do mal já não têm o que fazer, se tornam impotentes quando o bem é abraçado e se faz serviço. A ida de Jesus pelo deserto é, portanto, uma antecipação e síntese de toda a sua vida. Quer dizer que o seu programa consiste no combate ao mal e a instauração definitiva do bem.

Aquilo que parecia apenas um ideal romântico, começa a concretizar-se com o anúncio do Evangelho e a instauração do Reino de Deus: “Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galiléia, pregando o Evangelho de Deus” (v. 14). Temos aqui um divisor de águas na vida de Jesus: sendo comandada por Herodes (cf. Mc 6,17), a prisão de João se torna um apelo urgente para a instauração do Reino de Deus; é um triunfo de satanás, o adversário, personificado no algoz do Batista, que precisa urgentemente ser combatido. A ação de satanás se torna evidente quando o sistema dominante oprime e mata. Quem se deixa conduzir pelo Espírito, não pode assistir passivamente a essa realidade. Por isso, Jesus entra em cena com seu anúncio do Evangelho de Deus. Evangelho, cujo significado literal é boa notícia, significa, em Marcos, tanto o conteúdo da pregação de Jesus quanto ele mesmo; o que Jesus diz é boa notícia, e a sua pessoa é a grande boa notícia de Deus à humanidade. E a luta contra o mal empreendida por Jesus não se dará pela força, nem pelo poder, mas pelo anúncio do “Evangelho de Deus”, ou seja, pelo seu jeito mesmo de ser e de viver.

A pregação de Jesus consistia no anúncio do Reino de Deus como algo urgente: “o tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho” (v. 15). A compreensão do cumprimento do tempo é essencial na pregação de Jesus. O evangelista se refere ao tempo com o termo grego “kairós”, que não significa o tempo cronológico, mas o tempo oportuno e favorável, uma oportunidade única que não pode ser desperdiçada. De fato, em um mundo insuportável, marcado pelas injustiças e opressão, com lideranças religiosas e políticas totalmente corrompidas, a oportunidade de criação de um mundo novo não poderia ser desperdiçada. A condenação injusta do Batista é uma prova disso. Por isso, a imediata entrada em cena de Jesus. O Reino de Deus, conteúdo da pregação de Jesus, consiste exatamente na alternativa de mundo e sociedade ao sistema vigente na época e em todos os tempos, até que o Reino seja definitivamente instaurado.

Na verdade, não é fácil dar uma definição completa e precisa de Reino de Deus. Nem os evangelhos dão, apesar das inúmeras referências que fazem. O próprio Jesus, quando fala do Reino de Deus não o faz a partir de conceitos, mas com parábolas, que têm a função de tornar o ensinamento mais acessível e, ao mesmo tempo, manter o aspecto misterioso. Contudo, é certo que o Reino de Deus não é uma promessa de esperança para um bem-estar futuro, não é uma promessa para o além, mas a proposta de Deus para o hoje da história. No Pai-nosso, a oração cristã por excelência, não se pede para alcançar o Reino no futuro, mas que o Reino venha até nós. Logo, trata-se de algo concreto e urgente. A instauração do Reino consiste na transformação deste mundo num mundo novo, numa sociedade com novas relações, baseadas na justiça, no amor, no perdão e no serviço; um mundo marcado pela igualdade e fraternidade. Resumindo, podemos dizer que a o Reino é a realização do projeto libertador de Deus no mundo. Esse Reino “está próximo”, diz Jesus, porque é Ele o Reino em pessoa. Mais do que a temporalidade do Reino, a proximidade exprime a materialidade. A presença de Jesus no mundo significa que o Reino de Deus começou a ser construído. Essa proximidade do Reino será evidenciada pelo modelo de vida de Jesus e pelos sinais realizados por Ele, os quais dirão que o Reino, de fato, chegou.

E para participar do Reino não são necessários rituais de purificação, mas apenas conversão e adesão ao Evangelho: “Convertei-vos e crede no Evangelho” (v. 15). A necessidade de conversão é uma constante na vida do seguidor de Jesus. E conversão não significa intensificar as práticas penitenciais e devocionais, nem melhorar um pouco o comportamento, nem rezar mais... significa mudar radicalmente o jeito de ser, de pensar e de agir. Essa mudança de mentalidade se torna verificável na vida da pessoa pela adesão ao Evangelho. Crer no Evangelho significa aceitar o anúncio de Deus por meio de Jesus Cristo, tomando suas palavras como verdadeiras e portadoras de libertação. É acreditar que um anúncio só pode ser bom e edificante se tiver como base a mensagem libertadora de Jesus de Nazaré.